quarta-feira, 11 de junho de 2014

Mulligan

"A mulligan, in a game, happens when a player gets a second chance to perform a certain move or action (Unknown Author)

Ser gay e solteiro na cidade de São Paulo, as vezes é como ser uma criança e andar pela doceria. Do caminho do trabalho, para o happy hour, você passa por uns 15 caras extremamente pegáveis. A questão é: e quando você namora? 

Recentemente, fiquei sabendo que um casal de conhecidos tinha passado por uma crise básica porque um deles, durante uma volta na doceria, tinha dado uma mordida de leve em um doce qualquer, esquecendo-se que namorava, ou neste caso, que era diabético. 

Minha surpresa foi saber que após um leve drama eles continuaram juntos. Não sou de julgar, mas não consegui evitar de ficar pensando o que motivaria continuarem com um relacionamento após uma situação como esta, visto que a relação era monogâmica até então e nenhuma das partes havia posto em pauta a possibilidade de modificar isso. 

Estando na casa dos vinte e poucos, já aprendi que confiança e respeito são coisas que não podem ser recuperadas, mas que todo o resto num relacionamento pode e deve ser negociado, que cada casal é um organismo distinto de outro casal, seja ele gay ou hétero. Analisando essa suposta negociação, só consigo concluir que ela acontece em nome de uma coisa: a bendita segurança. 

É em nome dela que se aceita um terceiro elemento em sua cama; é em nome dela que se aguenta dedos em riste e tons exaltados; é em nome dela que muitos casais héteros e gays, continuam com suas vidas ignorando seus problemas e exercendo seu papel de 'casal de comercial de margarina'. 

Por trás de toda essa necessidade de segurança, há também comodismo. É mais fácil continuar com um relacionamento sem intensidade e sem frio na barriga do que encarar todo o processo de desligamento da outra pessoa. O comodismo não deixa enxergar que em certas situações é muito mais digno e empreendedor seguir seu caminho solteiro.

Não acho que eles tenham agito errado (nem certo) reatando, mas não aceito a ideia de terem possivelmente reatado por medo de ficarem sozinhos. Desejo por terceiros é normal, faz parte do instinto animal do ser humano. Assim como está no ser humano a capacidade de auto-controle e de aprender com seus erros. Ao menos eu acho... 

7 comentários:

  1. Hoje em dia, o medo da solidão leva muitas pessoas a fazerem coisas inimagináveis, ou incompreensíveis para uma grande parcela da sociedade....e isso não se restringe aos gays...vejo uma amiga minha que não é feliz pois está solteira, e acredita que só será quando estiver com alguém...e a mesma não suporta a felicidade de outros que estão juntos....beira a insanidade mental...

    Mas, como diz Bauman em muitos de seus livros, a sociedade sempre muda com o tempo, se adapta, e as vezes de maneira errada, dando valores a coisas, pessoas, sentimentos que não deveria ter, e deixando de lado tudo que realmente teria um valor elevado.

    Pessoas são assim...difíceis de serem compreendidas, mas ao mesmo tempo encantadoras em sua incompreensão...

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Muitas verdades no seu texto, conheço muita gente (homossexual ou não) que possuem muito medo de ficarem sozinhas e, por isso, vão namorando até arranjarem alguém mais interessante ou até casarem e tentarem viver em um comercial de margarina. Também já pensei em fazer isso, mas não achei justo comigo mesmo e nem com a pessoa que estava que estava comigo, prefiro seguir sozinho se for assim, mas nem todos pensam assim.

    ABraço!

    ResponderExcluir
  3. Poxa... esse seu texto dá muito pano para a manga... aliás, várias mangas! Hoje, sinceramente, eu acho que poderia até perdoar uma "mordida" por ai... depende de uma bocado de coisas... Na verdade, eu acho que já perdoei até... De qualquer forma, o que eu queria deixar aqui... é que eu acredito que possa haver esse tipo de perdão em um casal que se ame mesmo. A que se cuidar, para que isso não seja regra ou acaba por ferir o amor próprio, mas... só passando para saber.

    Com o passar dos anos eu confesso que cresceu a vontade de ter alguém, ficar só não me parece mais tão divertido como outrora... por outro lado, eu nunca consegui "ficar só por ficar"... ou mesmo, levar adiante uma possibilidade de relação por medo de ficar só... Não dá! Acredito que eu possa até entrar em uma mega roubada, aliás... tenho certeza disso, mas preciso da crença de que estou vivendo algo que valha a pena.

    Muito legal mesmo o texto! Abração!.

    ResponderExcluir
  4. "...é como ser uma criança e andar pela doceria" ficou bom demais! É bem nessas mesmo! E o tal do desejo é inerente a todos nós e tem mais... a gente só deseja mesmo aquilo que não temos. #prapensar! ;)

    ResponderExcluir
  5. O que deve alimentar qualquer relação é o amor e a paixão...
    Se não há mais estes sentimentos, infelizmente não há motivos para estarem juntos, porém o comodismo faz muitos relacionamentos se manterem na aparência e consequentemente rolam as malditas traições....
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Textinho bom pra pensar esse !
    Há mesmo infinitas combinações entre casais ! O que não se pode é "dar no olho" do outro ! Porém, o que é combinado não é caro !
    Acho possível perdoar o outro sim, o dificil é perdoar-se em viver em uma relação somente por segurança !

    Legal o blog ! Abraço !

    ResponderExcluir
  7. esta é uma questão muito polemica! mas acho que cada um sabe onde aperta o sapato! muito bom seu texto!

    ResponderExcluir